I Remember You/ Hello Monster

Quando um serial killer ataca mulheres com aparência semelhante, a Equipe Especial de Investigação Criminal do departamento de polícia fica perplexo. Enquanto Cha Ji An (Jang Na Ra), um detetive, e seus colegas estão avaliando a cena do crime mais recente, o misterioso Lee Hyun (Seo In Guk) aparece e imediatamente analisa a cena do crime e recria o suspeito apenas olhando todo o cenário do crime. Hyun que anteriormente trabalhava como consultor no departamento de polícia de Nova York recebeu um e-mail anônimo que o trouxe dos Estados Unidos para a cena do crime. O assassino em série parece estar enviando uma mensagem pessoal à Hyun com as pistas que ele deixa para trás, e Hyun se pergunta se ele poderia estar relacionado a um “monstro” criminoso que na sua infância matou seu pai e foi responsável pelo desaparecimento de seu irmão mais novo. Ji An conhece Hyun desde a infância e costumava “stalkea-lo”, mas não Hyun não parecem se lembrar dela. Com nenhuma pista para capturar o assassino em série, Ji An e seus colegas solicitam a ajuda de Hyun. Pode Hyun e Ji An resolver o caso e encontrar respostas para seus passados?

Quem vos fala aqui é uma órfã desse série tão boa. Já fazia um tempo que um dorama não prendia tanto a minha atenção como aconteceu agora com esse. I Remember You tem uma pegada suspense policial que gosto muito. Desde de o começo a história te envolve no mistério e na tentativa de descobrir quem é “monstro” ali ou não. E, uma vez que você descobre, fica querendo saber o que acarretou àqueles acontecimentos e o que ainda vai acontecer. Além de ter o foco na história dos personagens principais ainda conta com outros casos policiais paralelos, ou nem tão paralelos assim, bem instigantes.

  

O que faz um de uma pessoa um psicopata? Ela já nasce assim ou é fruto da sociedade? Esse é um dos principais pontos desse dorama. Essa temática foi um diferencial enorme na história. Você vê os dois lados da história e faz você pensar, como eles mesmo citam “O mal está escondido em pessoas normais. As vezes, as pessoas mais cruéis tem o rosto de anjo.” E por mais louco que pareça, você se vê simpatizando (mas também não tanto) com os psicopatas da trama.

Algo que me chamou bastante atenção e foi um diferencial bem vindo foi o fato de o romance não foi o foco principal. Tem romance? Tem! Sabemos que ele tá ali, mas não rouba toda a cena. E, por vezes, eu me encontrava mais preocupada com o bromance da história do que com o casal principal. Ah, e o que foi o bromance? Apenas <3.

Quanto as atuações todo o elenco fez um ótimo trabalho. Tenho apenas que dar uma ressalva para a atuação do D.O. (que vem chamando minha atenção desde It’s Okay, that’s Love) que conseguiu ser um serial killer creep e, ao mesmo tempo, ter um jeito todo inocente. E para Park BoGum que, com aquela cara de cachorro que caiu da mudança, fez meu coração sofrer um monte.

 

I Remember You foi um dorama com uma história tanto diferente, mas incrível. Eles conseguiram manter o ritmo da coisa do começo ao fim. Houveram algumas reclamações quanto ao final. Realmente ficou um pouco “em aberto”, e mesmo que tenha ficado algumas coisas apenas implícitas ali, o final, para mim, foi satisfatório. Mas se, por um milagre, rolasse uma segunda temporada eu ficaria mais que feliz.

Anúncios

Dorama Pinocchio

Até que ponto a mídia está certa? Após um trágico acidente, a família de Ki Ha Myung (Lee Jong Suk) é totalmente devastada por matérias equivocadas da mídia e sua vida muda completamente. Tentando fugir do tumulto Ha Myung conhece um senhor que, por ter problemas mentais, o confunde com seu filho já falecido. Ha Myung muda então seu nome para Choi Dal Po e passa a viver com o filho e a neta do homem, Choi In Ha (Park Shin Hye). Choi In Ha sofre de uma condição conhecida como “síndrome de Pinocchio”, que faz com que ela tenha crise de soluços quando diz uma mentira. Isso não a impede de seguir o sonho de se tornar uma jornalista. Ela começa a trabalhar com Choi Dal Po, seu “tio” que busca vingança pela sua família, com Seo Bum Jo (Kim Young Kwang), um herdeiro rico que teve tudo entregue a ele na vida e com Yoon Yoo Rae (Lee Yoo Bi), cujo conhecimento fangirl vem a calhar para a cobertura da imprensa.

Esse foi o primeiro dorama que acompanhei junto com a Coreia. Devo confessar, não foi tarefa fácil. Pinocchio prendeu tanta a minha atenção e interesse, que eu não aguentava esperar uma semana para desfrutar dos episódios novos. Como deu para perceber esse dorama mexeu comigo emocionalmente de várias maneiras possíveis. Mas num bom sentido. Ele, com certeza, entrou na minha lista de queridinhos. A história. Seus personagens. O desenrolar da trama. A produção. Tudo foi muito bem feito.

Os personagens? Ah o que dizer desses queridos que roubaram meu coração. Dos principais até os secundários, cada um com sua peculiaridade. Tenho que dizer amei a Hi Na. Diferentemente de vários doramas, ela não foi uma personagem tão fraca e submissa. Assim que comecei a ideia dos soluços não me parecia muito boa, imaginei que ficasse algo bem nada a ver, mas foi uma jogada de mestre. Foi algo que deu um diferencial á história e foi retratado de um jeito bem natural. Por conta de seus soluços ela só dizia o que realmente pensava e não descansava até saber a verdade. Uma das cenas que mais legais foi na qual ela enfrenta sua mãe, que tem grande importância na história.

 

A história passa por vários momentos diferentes da vida dos protagonistas. Infância, adolescência até a da vida adulta. Ao mostrar a infância somos apresentados a uma tragédia que aconteceu com o protagonista. Aquele praxe de k-dramas. Mas em Pinocchio até que me agradou. Não foi AQUELA história, mas conseguiu tocar em um assunto bem importante, discutindo até que ponto a mídia pode influenciar a vida das pessoas. O jeito que trabalharam com essa trama ajudou bastante. Não ficou aquele dramalhão e sofrimento. Teve um que a mais.

Poderia escrever muito mais, mas acabaria entregando muita coisa da trama. Pinocchio foi um dorama que em vários momentos quando aparecia uma situação em que eu poderia jurar que a história se tornaria uma enrolação sem fim, eu errava feio e era surpreendida. A história fluiu, sem se tornar algo chato. A cada final de episódio você já quer assistir o próximo. A dosagem certa na quantidade de comédia, drama e mistério ajudou, e muito, nisso.

Dorama: You Who Came From the Star

Sinopse: Do Min Joon é um alienígena que caiu na Terra há 400 anos, durante o período da dinastia Joseon. Do Min Joon possui uma aparência quase perfeita e capacidades físicas melhoradas envolvendo visão, audição e velocidade. Do Min Joon tem uma visão cínica dos seres humanos, mas ele se apaixona pela atriz Cheon Song Yi.

You Who Came From the Star/ You From Another Star/ My Love From (esse drama tem tantos nomes que não sei qual é o certo) foi de longe o dorama mais comentado recentemente. Depois de ver tantos comentários positivos revolvi dar uma chance, mesmo o drama estando ainda no ar na Coreia. Eu não gostei da história de cara, achei que seria mais uma daqueles romances meio impossíveis, mas continuei assistindo e ainda bem que o fiz.

Acredito que todos concordam que a melhor parte desse dorama foi Cheon Song Yi, foi graças a ela que continuei a assistir. A mulher era bem doida e praticamente todas as cenas hilárias tinham algo envolvendo ela, mas não foi só o fato dela ser engraçada que a tornaram ótima. Ela dava a impressão de ser meio boba, mas no fundo era uma pessoa forte. Conseguindo encarar os problemas que foram surgindo, como ser acusada de influenciar de algum modo a morte de uma atriz. E é aí que entra Do Min Joon, salvando Song Yi em algumas situações, mesmo, aparentemente, não suportando a mulher. Os dois fomaram um casal bem engraçado, Min Joon, sendo um alien e bem sério, e Song Yi, sendo, bem, Song Yi.


O vilão do drama, o verdadeiro assassino, era uma pessoa bem perturbada, não é por menos que ele era um assassino, am I right? O cara matava todo mundo que atrapalhasse ele de algum modo, não importava quem fosse. Praticamente qualquer um que não fosse com a cara. Outro personagem que marcou bastante foi o irmão da Song Yi. No começo achei que seria apenas um personagem secundário a mais, e então foi chegando como quem não quer nada e me conquistou totalmente, coisa mais fofa o garoto.

A história tem sim um pouco dessa pegada amor impossível e amor entre humanos e outros seres, que está na moda, especialmente depois de crepúsculo. Esse foi um dos fatores que me fez ter um certo preconceito inicial com o dorama, mas não se enganem, nem por isso é ruim. Teve sim esse amor impossível, melação e momentos wtf, mas os escritores conseguiram desenvolver bem a história, sem se perder, algo que acontece em vários kdramas. E seus personagens principais foram, sem sombra de dúvida, uma das melhores partes do drama.

Algo que também foi bem interessante foram os flashbacks e os efeitos, especialmente quando Min Joon parava o tempo. O final não poderia ser melhor, dado as circunstâncias da situação dos personagens. E ainda deixou uma mensagem legal, de que se deve valorizar as pessoas enquanto elas estão do seu lado. Enfim, esse é um dorama leve, engraçado, algumas vezes um pouco dramático e com uma história talvez um pouco batida, mas que vale a pena dar uma chance.